Menu

O PSDB na encruzilhada

13 de dezembro de 2016 - Veiculado em Revista Exame

(*) Texto de Carol Oliveira e Raphael Martins para o aplicativo Exame Hoje.

Em meio ao quiproquó que se instalou na política brasileira, um partido em especial está sem rumo: o PSDB, maior partido da base aliada de Michel Temer. Os tucanos, evidentemente, torcem por Temer, pois uma melhora econômica criaria uma agenda positiva que poderia levar o partido ao Planalto em 2018. Mas a economia insiste em não decolar, o que força o partido a movimento erráticos.

O mais recente veio nesta quinta-feira, quando um de seus principais quadros, o deputado baiano Antonio Imbassahy, foi indicado para a Secretaria de Governo de Michel Temer. Era uma vitória. Duas semanas atrás, incomodado com a repercussão do caso Geddel Vieira Lima, o PSDB, engrossou as críticas ao governo. A indicação de Imbassahy era um afago ao partido no momento mais crítico do governo, envolto em polêmicas com o Congresso e com pautas decisivas para ser aprovadas.

O problema: pressionado, o governo voltou atrás e Imbassahy foi preterido na noite desta quinta. O motivo foi uma reação imediata dos 200 deputados do Centrão, que enxergaram na medida uma forma de favorecimento a Rodrigo Maia (DEM-RJ) na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados. Imbassahy era um nome forte para o cargo, e sua entrada na disputa aumentaria as chances de nomes do Centrão, como o deputado Rogério Rosso (PSD-DF). O Centrão ameaçou melar a reforma da Previdência e, na queda de braço, sobrou para os tucanos.

De acordo com Rogério Rosso (PSD-DF), a indicação de Imbassahy, divulgada pela imprensa, gerou uma “insegurança natural” no centrão, por sinalizar um apoio de Temer a Maia sem que os deputados fossem consultados ou avisados. “Se for a vontade da base aliada e do presidente, eu retiro minha candidatura. Não quero enfrentá-lo”, disse à reportagem de EXAME Hoje. Outro nome forte do centrão, Gilberto Nascimento (PSC-SP) disse que houve “desencontro”, mas a base está unida.

Como reagiu o PSDB? Com um conformismo de quem, no momento, não tem para onde correr. A intenção do partido é manter a aliança. “Neste caso, a crise é entre governo e centrão. Não tem a ver com a gente e cabe ao governo resolver”, afirma um parlamentar. “O que nos preocupa é a condução, que claramente não deu certo. Isso demonstra que o governo continua fragilizado desde a saída do Geddel. Isso precisa ser resolvido logo”.

A opinião vai em linha com um artigo do senador Aécio Neves (PSDB-MG), publicado na semana passada, que diz ser “preciso reconhecer que, ao lado de alguns avanços importantes, as dificuldades permanecem graves”. O discurso é uma defesa antecipada do partido a críticas quanto à condução política do governo. No campo das reformas econômicas, o partido está escanteado.

“A expectativa da cúpula do PSDB era uma retomada mais rápida, mas acredito que a impaciência é mais com os contratempos e desmandos no próprio governo. Ninguém esperava que um governo com alguém tão experiente pudesse cometer tantos erros. Esperava-se uma mínima estabilidade para a economia responder e a confiança dos empresários voltar”, afirma Wagner Parente, diretor da consultoria política Barral M Jorge.

 

Para continuar lendo baixe o aplicativo da Exame

CATEGORIA: Relações Governamentais

Assessoria de imprensa

  1. Camilla Azeredo e Elisa Diniz
  2. comunicacao@barralmjorge.com.br
  3. + 55 61 3223-2700